HAPPY DOG - HAPPY CAT

Um dia, largaram as correntes, abriram as suas asas, e voaram.... para um novo Mundo, para uma nova Vida... Que sejam agora felizes, que o tempo apague depressinha as memórias dos canis e da rua, onde um dia foram abandonados à sua triste sorte.

Saturday, July 15, 2006

Small - Dom Doca


Era uma vez um cãozinho pequenino, peludinho, meiguinho, e engraçadinho, mas tristinho porque tinha sido abandonado no Canil Municipal de Almada, em fins de Abril de 2005. Démos-lhe o nome de Small. Ali estava ele, encostado na sua box, resignado por uma vida que não merecia, pela negligência de um antigo dono sem coração que aos 6 anos o deixou entregue à sua sorte. Assim, sem mais. Foi feito um apelo para o Small, de modo a que a sua vidinha não terminasse por ali, ele merecia muito, muito mais. O apelo dizia assim:
"Eu sou o Small, nome que me puseram , pois sou mesmo pequeninito. Não devo ter mais de 5 kilitos. Sou assim uma espécie de pantufinha, fofinho e farfalhudo, todo pretinho, uma ternura de cão. Tenho cerca de 3 anitos, e vim aqui parar a este canil municipal, mais uma vez por culpa do ser humano, que lá achou que aqui era o melhor lugar para mim.... Infelizmente, como sabem, os canis municipais nunca são os melhores lugares para nada, aqui vivemos dia após dia, sem saber se ainda estamos cá no dia seguinte. Lembrem-se disso.... e venham-me buscar, e assim dão-me uma oportunidade de me fazer feliz novamente. "
(no apelo dizia 3 anos mas mais tarde viémos a saber que era mais velho).
O apelo lá circulou pelos meios habituais, e passados poucos dias recebi um telefonema de alguém que o quis adoptar. Maravilhoso, fiquei super feliz. O nosso Small ia ter uma casinha. Ia para o Montijo ser filho único e ser apaparicado por um jovem casal amoroso, a Sofia e o Jorge, que tinham tudo para lhe dar, e mais ainda. E foi assim que no dia 9 de Maio de 2005 o lindo Small saiu do canil pelas mãos do Jorge, direito a uma nova vida com direito a tudo, cuidados veterinários, muito mimo,muito amor e muita dedicação.
Muito obrigada à Sofia e ao Jorge por tudo o que fizeram deste menino, inclusive arranjar-lhe uma maninha, a Nina, (que poderão ver num próximo post de histórias felizes) para que ele não se sentisse tão sozinho quando os donos não estão em casa.
Felicidades para os 4: Jorge, Sofia, Don Doca e Nina.
-----------------------------------------------------------------------------------------------
Tinha cerca de 6 aninhos quando o mudaram de armas e bagagens para o canil municipal.
Não consigo nem sequer imaginar o sofrimento do Doca nem tão pouco o motivo de tal monstruosidade…
Hoje para mim, que tenho o doca há apenas um ano, largá-lo num canil, seria como abandonar um filho para a morte…
Encontrei o Doca num jornal semanal, no meio de tantos outros anúncios minúsculos, lá estava ele, o Small como carinhosamente lhe chamavam na altura, por ser pequenino.
O coração encheu-se-me de carinho logo que percebi que tinha sido abandonado á sua sorte e que seria posto a dormir em breve.
Tinha tanto para lhe oferecer, um tecto, comida, cuidados de saúde, e principalmente muito, muito carinho.
Fui buscá-lo ao canil de Almada, e ali estava ele, do outro lado da grade, o sofrimento estampado no rosto, um olhar vazio, e sem esperança, indefeso, completamente maltratado pela vida, doente e infestado de pulgas e carraças, com o pelo seco, baço e cheio de nós e nem sequer um boletim de vacinas tinha…
Quem o largou, largou-o para morrer, e o Doca, o meu Doca ainda tinha tanto para dar, para viver, para ensinar…

Trouxe-o para casa, e naquele momento, deixou de ser o Small para ser o Dom Doca, o meu ‘binho’ como carinhosamente lhe chamo hoje em dia.
Depois de um banhinho, tratamento para as pulgas, uma comida adequada, umas quantas idas ao veterinário (ele vinha muito maltratado e doentinho, otite e tosse de canil) e muitos miminhos, ficou como novo.
Hoje sei que o meu Doca é feliz, amo-o como se fosse do meu sangue, porque afinal, ele faz parte da minha pequena mas amada família.
Enquanto escrevo este texto, o Doca está deitado a dormir sobre as minhas pernas, neste momento a sua única preocupação é puxar de vez em quando a perna para cima… e penso, é preciso tão pouco para o fazer feliz…

….Ás vezes as coisas simples da vida são as mais importantes…o suficiente para nos fazer felizes a nós… agora sei como amar incondicionalmente e sem restrições…não é preciso palavras…
Ana, os nossos sinceros parabéns, pela teu grande sentido de humanidade, graças á tua dedicação e inquietação muitos que estariam neste momento ‘ a dormir’ encontraram uma segunda oportunidade de viver, um verdadeiro milagre…e ainda dizem que milagres não existem, existem sim, nas mãos de pessoas generosas como tu.

Obrigado por nos teres feito chegar o nosso Doca, que nos trouxe muitos sorrisos e nos enriqueceu a vida de uma forma extraordinária. Um grande OBRIGADO!
‘Entre a brutalidade para com o animal e a crueldade para com o homem, há uma só diferença a vitima’
(Lamartine)
Dom Doca, Jorge e Sofia

2 Comments:

  • At 4:53 AM, Anonymous Silvia said…

    Que donos fantásticos o Small e a Nina arranjaram!!! Bem-hajam

     
  • At 12:59 PM, Anonymous susana said…

    o mundo seria muito melhor para os animais se houvessem mais pessoas como voces os dois!

     

Post a Comment

<< Home

 
Amazon Coupon
Hit Counters